Carta aberta a todos os Projetistas

 

 

Há alguns dias atrás estive visitando um cliente, e tive acesso ao telhado. O que eu vi lá me fez refletir sobre algumas coisas, e é por isso que estou fazendo este chamado. Então, se você tem ou já teve problemas com um telhado, me dá um pouquinho da tua atenção.

Na imagem acima, por exemplo, temos um telhado novo. Feito dentro das especificações técnicas, com bom caimento, bons arremates. É um telhado estanque? Tem tudo pra ser. Além disso o telhado é um tipo de impermeabilização usado há milhares de anos.

Porém, você vai concordar que, nas últimas décadas a tecnologia e as facilidades que os prédios oferecem aos seus moradores, trouxeram muita gente para cima dos telhados. Vieram os instaladores de antenas; instaladores de cabos de internet; instaladores de ar condicionado…sem contar o pessoal da própria manutenção do telhado. E estes telhados com calhas, rufos, cumeeiras, transpasses e parafusos, não são adequados para este trânsito todo.

O que vai acontecer ali em cima nos próximos anos? Consegue imaginar? Durante muitos anos eu fiz manutenção de telhados, e sei que pode acontecer de alguém vir instalar uma antena, pisar mal na telha e trincar. Na limpeza semestral dos reservatórios, alguém pisa na calha metálica e a desloca da parede. Ou pisa na telha junto a parede e solta o arremate metálico. E já começam os transtornos para os moradores do ultimo pavimento.

Não precisa imaginar, a prova está no telhado do prédio vizinho.

Se você reparar, o que tem ali? Um telhado do mesmo tipo, todo coberto com manta asfáltica aluminizada. Os moradores deste prédio vizinho gastaram muito em tentativas localizadas até cobrir tudo. Isso foi assunto de muitas reuniões de condomínio. Sem falar no stress entre os moradores, pois quem mora nos primeiros andares não tem goteiras, e tem outras prioridades de investimento no prédio.

Agora vamos ao que interessa: qual é o custo disso tudo? Podemos somar: custo inicial do telhado original com toda a sua estrutura; várias tentativas de reparo mal sucedidas; e por fim outra impermeabilização com manta asfáltica, que é um custo igual ou até maior que o telhado inicial. Infelizmente, o telhado vizinho é o futuro deste telhado novo.

Agora vamos refletir: e se essas lajes tivessem recebido uma impermeabilização diferente do telhado lá no início, na sua construção? Será que tudo isso seria evitado? Estas áreas não poderiam ter outro uso, como um terraço ou uma área verde? No mínimo uma área de refugio em caso de sinistro, algo que ninguém gosta de falar, mas é bem real. Porque em caso de incêndio, por exemplo, um telhado não suporta muita gente.

Por isso que eu convido todos os envolvidos em projetos a pensar comigo nestas questões sérias, que estão acontecendo aí, estão acontecendo aqui perto, como falei. Por favor, contem suas histórias, comentem, critiquem, para que possamos levar este assunto a diante.

 

Atenciosamente,

José A. Souza

O cuidado que você precisa ter com as marquises

(Foto: Léo Fontes/O Tempo/Folhapress) 

As marquises são estruturas em concreto, normalmente projetadas para fora da estrutura do prédio, em balanço ou seja: sem apoio, sustentada por armações de ferro no interior do concreto. A estrutura de ferros é calculada para durar por toda a vida útil da edificação. 

O Perigo 

Para alcançar esta longevidade é preciso proteção, pois o esforço é grande no ponto onde ela se projeta para fora do prédio e é normal surgir ali uma fissura. Qualquer infiltração naquele ponto, com o tempo poderá corroer o ferro, diminuindo a sua espessura e enfraquecendo toda a estrutura. 

Na verdade, até mesmo só o envelhecimento do concreto, permitindo a cada ano que a umidade penetre alguns milímetros, com o tempo também corroerá estas ferragens. 

Como isso vinha sendo tratado? 

Por muitos anos a manta asfáltica (que se vê caída no meio dos escombros), bem aderida a fogo, encaixada dentro da parede com pelo menos uns 25mm de recobrimento, foi a solução mais adequada. Com a escassez de mão de obra especializada, a manta foi perdendo aderência, e qualidade nos arremates e acabamentos. Também surgiram mantas de qualidade inferior (comerciais). 

No caso da imagem acima, vemos a manta semi-aderida na parede e com pouco recobrimento. Numa avaliação simples, o reboco fino sobre a manta se separou do resto da parede, permitindo que a água penetrasse por trás da manta. Mas é possível também que a manta tivesse algumas falhas de solda ou até mesmo alguns rasgos provocados por trânsito descuidado sobre ela (manutenção ou limpeza de janelas). 

Por qualquer uma ou por todas estas razões a água alcançou as ferragens e iniciou o lento processo de corrosão. Quando os primeiros ferros se romperam, o efeito foi o mesmo que ocorre com um papel picotado: basta o primeiro esforço e o rompimento se dará por toda a extensão. 

Saiba como proteger melhor: 

Há alguns anos se tem um grande sucesso com as membranas acrílicas (cimento + resina). O sistema é totalmente aderido, flexível, reforçado nos pontos críticos e resistente ao trânsito eventual de manutenção. É resistente aos raios UV e pode ser pintado com tinta acrílica ou já vir na cor preferida. A inspeção periódica é bem fácil e pode ser feita por qualquer pessoa. O sistema fica aparente e qualquer pequena patologia logo é identificada para reparo imediato. 

São novas soluções, com menos processos, mais facilidade de aplicação, simples assim! 

Ficou com alguma duvida? Entre em contato através do e-mail contato@imperfim.com 

 


				

Impermeabilizar a Laje ou fazer um Telhado?

Nestes mais de 40 anos de atividade no segmento de impermeabilização sempre tivemos mais chamados para atender infiltrações em telhados do que em lajes. 

É uma verdade que muitos desconhecem, por isso pensam num telhado como a “solução” para se conseguir uma laje estanque. 

Eu comparo o telhado a um Puzzle ou Lego, composto de muitas peças distintas, e que nem sempre ficam bem encaixadas! É tudo que a água quer! 

Até há alguns anos resolvíamos com as mantas asfálticas, fosse recobrindo todo o telhado ou tratando os pontos de contato entre: telhas; telha e parede; calha e parede; telha e tubos passantes… aí vieram as antenas e cabos de TV, internet (e o alto trânsito de prestadores de serviço). Foi quando desistimos de atender telhados. 

Para nossa surpresa, alguns clientes foram simpáticos a nossa ideia de tratar a laje em vez de tratar o telhado. E mais recentemente os projetistas estão adotando a laje impermeabilizada como solução para conter infiltrações. 

A laje do vídeo acima é um exemplo: 1.600m² de área com 32 pluviais de 100mm e excelente desempenho! A pintura refletiva branca melhora o conforto térmico nos dias de calor. O trânsito do pessoal de manutenção é tranquilo. O reparo, em caso de dano é mais tranquilo ainda… 

ImperFIM tem toda a expertise para quem quiser melhorar suas coberturas. Ainda sobre a laje acima, em mais de três anos de executada, ainda não teve nenhuma solicitação de reparo. A garantia dos materiais é de 5 anos e a expectativa de vida útil de 20 anos, seguindo as orientações de manutenção preditiva que prescrevemos. Sobre ela já foram instalados vários equipamentos, sempre sob nossa orientação. 

A impermeabilização no lugar do telhado faz parte do nosso exclusivo Programa Pós Obra Zero Infiltrações. A tecnologia de aferição da membrana pronta também! 

Quer saber mais? Entre em contato.